sábado, 21 de outubro de 2017

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Agora

                                         "(...) O tempo passado e o tempo futuro / O que podia ter sido e o que foi / Tendem para um fim, que é sempre presente." T.S. Eliot

Passado passou
Como um vulto na janela
Como passam os pássaros
Como um precipício 
Se revela
Os passos permanecem
Desafiadores em astro
Que transita espaço
Em trilha fixa esférica
Como tudo deixa rastro
Segue sem lastro
Passageiro
Persegue caminhos
Aventureiro
Se alinha
Fia e tece
Tecido de linho
Se despe
Forja nicho
Desfaz ninho
Recompõem ritmo
Abissal 
Contínuo cristal de sal
Precipitado no mar
Lançado para a encosta
Vidrado no olhar
Desidratado com o sol
Partir fremente
Colossal 
Rito de passagem

(Angela Gomes)
(27/09/2017)

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O Poder da Palavra


Esse é um pequeno texto dedicado a você, leitor ou leitora.
Houve uma época em que só havia a palavra escrita. Isso foi antes do rádio, do cinema ou da TV e muito, muito antes da internet. Quando a palavra detinha um poder avassalador sobre as pessoas. A palavra escrita era, primeiramente, possível de ser alcançada apenas a um restrito número de indivíduos - os que, normalmente, detinham ou estavam ao lado do poder. Com o tempo, a palavra foi se espalhando através da leitura, e mais e mais pessoas foram adquirindo conhecimento através dela.
Toda essa gente descobria na leitura um mundo diferente. Uma porta a um infinito de possibilidades se abria diante delas. Desde a informação, o conhecimento difundido pela palavra, às estórias mais criativas e originais que advinham das mentes sublimes de seus escritores – tudo estava na leitura, que era tudo para aquela época.
E houve muita gente boa nesse meio magistral e soberano da escrita. Não vou citar nomes, mas estilos, tamanha a riqueza da literatura mundial. Autores iluministas, barrocos, modernistas, parnasianos, romancistas e demais se multiplicavam pelas bibliotecas do novo e do velho mundo, criando, aprimorando ou reinventando estilos e tendências, chancelando a escrita como a toda poderosa forma de conhecimento da humanidade.
Pensadores, filósofos, poetas... toda uma classe de escritores diversos que ainda existe e respira a literatura agora, no século XXI. Nesse nosso século XXI. Onde a tecnologia chegou e continua chegando implacavelmente nos quatro cantos do globo, sem sequer bater à porta. Ela, a senhora tecnologia, que criou e perpetuou a classe dos blogueiros. Que seguem, ao seu modo, com seu estilo próprio, imprimindo a sua marca através da palavra na mente das pessoas.
Ao mesmo tempo que vemos a irrefreável tecnologia nos meios de comunicação, é com pesar que ainda hoje, muitas almas vivem sobre a terra sem saber ler uma linha sequer. Que vieram e vão desta para uma melhor sem escrever o próprio nome em uma linha na folha de papel. E esse fato, mesmo que chocante, serve para nos mostrar que a escrita ainda hoje denota PODER. O poder da palavra.
Essa simples constatação - ao mesmo tempo tão aterradora e tão verdadeira - faz com que o homem do século XXI, que detêm para consigo o poder da palavra (seja ela lida ou escrita), tenha mais poder que o seu semelhante que não lê, ou que não escreve.

Isto é em sua essência, senhores e senhoras, o poder da palavra.                                                                                                                                                                                                                            

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Amor fluido

Amor fluido
flui abstrato.
Ainda que termine
difuso éter
propaga réstias sobre corpos;
arestas que se encontram
não deformam cantos.
Mas, não há mais sentido
para sons, rimas, magia.
E, ainda que absorto,
revolvendo nuvens, não há espera.
Incauto, permaneço à flor da pele
Desenhando frases na estratosfera.

Amor fluido
flui abstrato
à quinta-essência de um nome
sussurrado
Entre, palavras não ditas.
Tateias pétalas na flor;
Nas entrelinhas tatuo teu retrato.

Tudo deixa marcas no tempo.
O amor, nós em nós,
cravados.
Feito gota de chuva
que despenca do céu;
no sabor da dor
cristaliza na saliva
de corpos quebrados.

Tudo quando acaba
sobra um pouco?
Mas, não ouço mais tua voz.
As folhas se desprenderam no outono
e, dentro de mim o silêncio grita.
No arquivo morto
pó de estrelas dançam sobre as árvores.
As lembranças continuam vivas:
sempre-vivas
como as flores secas.


sexta-feira, 21 de julho de 2017

Tarrafa












Noite translúcida.
Orvalho perfume de flor...
Trama entre a teia
Partículas de suor.
Sedutora escama,
Solitária cor...
Náufraga aquarela
Tingia nuances de azul
Do céu até formar o mar...
Beijo das ondas
Umedecendo os teus passos.
Nossos abraços
Às estrelas,
Soltos no grito dos astros.
Emaranhados nas pegadas,
Nossos rastros
Desenharam areia.
Sereia, peixe bordado de luz
Na manhã que principia...

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Espere por mim


A consternação não cabe
Sobeja salgadamente pela face
O sentimento se esvai
O que era hoje torna-se saudade
 
Perpetrei o melhor
Para ser mais próximo
Sei que não foi o bastante
Tornou-se contraditório
 
Contrário ao meu bel-prazer
E ao que é correto
Foi-se antes da hora
Como se o tempo estivesse ao inverso
 
O lento acelerou
O eterno findou
O antes se tornou
A saudade que ficou
 
A efígie é o que resta
A saudade pinta a tela
A pintura eu já tenho
Impressa na minha cela
 
Eterna se torna
No momento que vai embora
Mas.....mais presente agora
Nos olhos que aflora
 
Com sua beleza tísica
Ainda era a mais bela das castas
Sensível ao toque....suave como seda
No seu coração....as mais ternas belezas
 
Fugiu aos nossos olhos
Mas outros agora a veem
Aprecie quem sempre te esperou
Segure sua mão e aproveite
 
Um dia nos depararemos
E deixarei de ser elegíaco
Na voragem da saudade viveremos
E então.....jaz um timorato choramingo
 
 Início....não é
Nem o......fim
Até logo......até
Espere......por mim



sábado, 17 de junho de 2017

Poema relativo

A noite só fica triste
quando é, de fato, preciso.

Há noites em que toda a luz
vem pousar aqui comigo
em um silêncio cheio de canções.
Há noites que nem os clarões
cortam a telha de vidro.
E nada, nada, nada
faz qualquer alarido.
A noite só se enche de escuro,
de cacos cortantes no muro,
quando chorar é preciso.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

PERPENDICULARES

O rascunho do que escrevo
O gosto eterno de um beijo
Ao som abafado do que vejo
Tornam ilógicos os sentimentos
Quando encontramos duas retas
Perpendiculares
Mefistofélicos atropelamos com pressa
O que já era reto e vergamos os olhares
A janela
Antes com a mais suntuosa paisagem
Agora abraça
O muro....desconfortante miragem
Vivo cada dia como se fosse o penúltimo
Pois não tenho pressa
A fruta que amadurece antes do tempo
Estraga-se de véspera
Viva
Aos pacientes da estrada....à paciência na caminhada
Mesmo sendo nós perpendiculares
Atropelamo-nos
Cedo ou tarde
Viva
Os rascunhos....os gostos
Os sons...os sentimentos...os abrolhos
Lógicos...ilógicos...como tantos outros
Mesmo retos ou tortos
Com razões ou devaneios
São somente nossos
Perfeitos

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Da plenitude

N'alguma hora de infinita solidão
alguém, por essa serra
abre a janela.


A noite devassa
se põe devagar na sua cama.
Nada mais lá fora,
nem mesmo os gatos ronronam,
tal negrura se apresenta.

Tem noites em que tudo é tão frio
que a lua não se atreve a aparecer
então, só a névoa
é plena

sexta-feira, 12 de maio de 2017

FALTAM SOBRAS

Sobram pessoas......faltam
Faltam sentimentos......faltam
Faltam verdades......sobram
Sobram momentos......faltam
Faltam palavras.......faltam
Sobram crueldades.......sobram
Faltam famílias......faltam
Com sobras de bondade.......faltam
Sobram inimigos.......sobram
Faltam tecidos.......faltam
Para pararem tremidos.......faltam
Sobram gemidos.......sobram
Sobram malefícios......sobram
Sobram céticos.......faltam
Falta contigo.......falta
Sobro sozinho.......sobro
Faltam calafrios......faltam
Para esquentarem o frio......faltam
Sobra o frio.....sobra
Sem você comigo.......falta
Faltam alegrias......faltam
Com sobrinhos.......sobram
Somente tristezas.......sobram
Você comigo......faltam
Sobram faltas
Faltam.....sobram
Sobras.....faltam
Faltam sobras

sábado, 22 de abril de 2017

Capacidade

Desde que o tempo é tempo, as pessoas desejam ter a capacidade de enxergar através das outras. Sensações, sentimentos e os mais profundos pensamentos. E a essa capacidade, deu-se o nome de compreensão.

Nos tempos atuais, caminhando pela rua, percebe-se que as pessoas têm a capacidade de enxergar através das outras; A essa capacidade, dá-se o nome de indiferença.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Outono



folhas pelo chão
galhos de árvores se despem
cobrem-se de outono











Foto: Efigênia Rolin, artista plástica e poetisa, na Feira do Poeta, em Curitiba. 
Angela Gomes (arquivo pessoal).

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Desesperación

De todas as faces das minhas angústias
essa, aqui, refletida na mesa

entre corais e bandejas
essa é a que mais me domina.

Essa, coberta de tantas esferas
essa que a tudo se assemelha

essa que reflete e verseja
essa que mais me ilumina

é a que mais me amedronta.

Essa que me acompanha
quando nada mais me encontra.

Essa que eu nunca confesso,
essa com a qual nunca sonhei

essa completa e disforme
que me prende e não some

essa estranha insone

essa, meus caros leitores,
essa que sou eu mesma
embebida em tantas tristezas
que eu já nem lhe sei mais o nome.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A BRECHA

Tanto tempo sem escrever
Tudo por fazer
Me preocupa a falta criativa
Ou seria a sobra com falta de tentativa
Tanto trabalho à prescrever
Me subestima sua tentativa
Ou seria a falta do que fazer
Para fazer faltar minha sobra criativa
Soberba militância a sua
Só não arquitetava o que acontecia
Enquanto pairava no ar a falta criativa
A cabeça cheia de sobras esperava a tentativa
Finalmente me deu a brecha
Agora pairam no papel as sobras criativas
Falhou sua tentativa
Findou, por não arquitetar o que acontecia
Não volto plenamente, pois há trabalho à prescrever
Quase tudo por fazer
Porém, já não me preocupa a falta criativa
Sei que são sobras esperando a tentativa
Dê brecha para você vê

quarta-feira, 22 de março de 2017

Espetáculo


A noite de estreia é um espetáculo, mágico, incomparável.

As noites seguintes já não têm o mesmo encanto. Os sorrisos já não são mais os mesmos.

Algum tempo depois, ela junta as tralhas e toma outros rumos, paixão itinerante.



sexta-feira, 17 de março de 2017

Apoética

Quando a poesia
some
sobra algo que eu desconheço
um souvenir,
um endereço,
uma carta sem destinatário,
meu átrio esquerdo dilatado
e a minha boca seca
e insone.


Quando a poesia
se esconde
deixa pistas,
poeira,
sustos,
deixa ferida aberta nos pulsos
deixa a sutura
imperfeita
e ridícula

Essa poesia
fêmea
dominante da manada
irmã gêmea do nada
trôpega,
amanhecida,
poesia-menstruada,
útero à ferro e brasa
gritando uma dor felina
me jogando num manto de breu;

Essa poesia me sangra
me deixa sobre areia quente
acha que me esqueceu...
poesia meu nome é guerreira
se você se afasta,
não temo,
se faltar-me a poesia,
se sobrar-me apenas agonia,
a poesia sou eu.


domingo, 12 de março de 2017

OUTRO MUNDO

Hoje
Repeti o mesmo mundo....no fim
Viver de amor....e depois
Morrer brandamente em mim
Outro castelo recriei
Após rochas caírem
Até a pintura borrei
Com as mais belas alvitres
Agora procure o que te desperta
O que te deixa em alerta
O que queima, mas não arde
O que, mesmo no fim, nunca é tarde
O que ficou para trás
São esfumaturas embranquecidas
Perde-se o tom da tinta
Mas não a importância adquirida
Pois mesmo manchas abstrais
Ainda borram a pintura que já fora
A vida em sete cores iniciais
Torna-se cinza, diferente de outrora
E não segui seus passos
Preferi os meus
Eram mais suaves
E livres do que os teus
Pesadas eram as rédeas
Que determinavam a direção
Dos raios e das pedras
Que atingiam o coração
Amanhã
Vou reinventar outro mundo.....se der
Morrer de amor....e depois
Ressuscitar num domingo qualquer

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Mundano


O golpe ditatorial teve, no exército, seu braço armado
E na imprensa, o desalmado